EXAME GINECOLÓGICO NA PERSPECTIVA DAS USUÁRIAS DE UM SERVIÇO DE SAÚDE

 Marta Lúcia O. Carvalho, Antonia Regina F. Furegato


  CARVALHO,  M. L. O.;  FUREGATO, A. R. F. - Exame ginecológico na perspectiva das usuárias de um serviço de saúde. Revista Eletrônica de Enfermagem (online), Goiânia, v.3, n.1, jan-jun. 2001. Disponível: http://www.fen.ufg.br/revista


Introdução

Objetivo

Percurso teórico metodológico

Resultados e discussão

     Processo de evitamento do exame ginecológico - I

     Processo de evitamento do exame ginecológico - II

Considerações finais

Referências bibliográficas

Autoras

 

RESUMO: Este estudo procura conhecer a visão das mulheres, usuárias de um serviço de saúde, sobre o exame ginecológico. O objetivo foi o de detectar os significados que estas mulheres atribuíam ao exame e as influências do meio social e de fatores pessoais na elaboração deste significado. Através dos dados obtidos nas entrevistas, foi proposta uma representação esquemática do processo social denominado “evitamento do exame ginecológico”, bem como de fatores que podem reforçá-lo. Diversas ações foram propostas para ajudar o profissional a lidar com este processo, principalmente através da criação de espaços de informação / reflexão sobre corpo e sexualidade, dirigido não só a mulheres adultas como a crianças e adolescentes.

Unitermos: Exame ginecológico, prevenção do câncer ginecológico, saúde mental, saúde da mulher, interacionismo simbólico.

  

ABSTRACT: Little is known with respect to women's views concerning their gynecological exams. In this study, there was an attempt to detect the meanings that 30 women attributed to such exam as well as the social and personal influences acting upon the elaboration of that meaning. The data obtained by means of interviews, which were analyzed by symbolic interactionism, are represented in the process of the "gynecological exam avoidance" and other factors that can reinforce it. The creation of places for information/reflection concerning one's body and sexuality for adult women, children and adolescents is suggested.

Key words: Gynecological exam, mental health, nursing, woman, symbolic interactionism.

 

 I - INTRODUÇÃO

            Os programas de prevenção do câncer cérvico-uterino estruturam seu funcionamento sobre um pré-requisito básico: as mulheres devem submeter-se ao exame ginecológico anualmente, mesmo na ausência de sinais ou sintomas de algum quadro patológico. Esta procura deve ser voluntária, o que pressupõe motivação e ausência de medo ou aversão. O exame ginecológico constitui-se num procedimento considerado pelos profissionais de saúde como rotineiro e inócuo.

            Além de sua importância epidemiológica na prevenção do câncer, o exame ginecológico é um procedimento indispensável também em programas de planejamento familiar, pré-natal, atendimento a patologias obstétricas e controle de doenças sexualmente transmissíveis.

            Apesar de sua importância comprovada para a saúde da mulher e dos esforços em transformar o exame ginecológico em uma experiência educativa, observamos que muitas mulheres não parecem considerá-lo como um procedimento rotineiro e isento.  Assistimos, com freqüência a reações de medo, vergonha, repulsa à própria genitália e prolongados adiamentos na procura do serviço de saúde.  Essas observações trouxeram questionamentos que terminaram por motivar o tema deste trabalho.

            Se esperarmos que as mulheres procurem espontaneamente os serviços de saúde a fim de submeterem-se ao exame ginecológico periódico, devemos levar em conta que suas percepções e vivências determinarão os significados que elas atribuem a este exame e, consequentemente, influirão também nas suas decisões de saúde.  Esta decisão, numa perspectiva mais coletiva, poderá determinar o sucesso ou insucesso de programas preventivos dirigidos às mulheres.

            As reações ao exame ginecológico vêm, há tempos, sendo abordadas por diversos autores que destacam sensações de desconforto, vulnerabilidade e ansiedade vivenciadas pelas mulheres (OSOFSKI, 1967; SOARES, 1981; MAGEE,1988).

            Pesquisadores como LATTA & WIESMEIER (1982); MILLER & MANGAN (1983) chamam a atenção para a variabilidade de respostas das mulheres frente ao exame ginecológico. Algumas mulheres buscam informações e outras preferem não ser informadas sobre os passos do procedimento. Observaram que, fornecer grande quantidade de informação para as que preferem não ser informadas, ou vice-versa, pode transformar este exame numa situação estressante. (MILLER & MANGAN, 1983). Consideradas estas diferenças, a individualização da assistência é essencial.

            WEBSTER (1986) afirma ser necessário redefinir os conceitos de saúde da mulher, baseando-se nas próprias experiências de vida das mesmas. A autora aponta como um dos valores preconizados pelos movimentos de mulheres, em relação às pesquisas sobre a saúde feminina, a valorização da experiência pessoal como importante fonte de informações. Alerta que as enfermeiras podem não saber, necessariamente, o que é melhor para a cliente ou como a cliente estaria vendo a situação. ABRUNS (1986), analisando o papel passivo que as mulheres assumem nas questões referentes a sua própria saúde, afirma que as enfermeiras têm contribuído para essa falta de autocontrole das mulheres, na medida em que mantém os cuidados sob seu domínio profissional. Recomenda que as enfermeiras procurem reduzir os aspectos alienados do cuidado de saúde e passem a atuar sensíveis às necessidades das mulheres.

            Concordando com estas duas últimas autoras, acreditamos que o problema do exame ginecológico deva ser estudado a partir de como as mulheres o vivenciam.

Topo da página 

 

II - OBJETIVO

1 - Captar a percepção das mulheres a respeito do exame ginecológico e os fatores que reforçam esse processo;

 

III - PERCURSO TEÓRICO METODOLÓGICO

            Trata-se de um estudo qualitativo, que usou a Teoria Fundamentada nos Dados, tendo por base o Interacionismo Simbólico.

            O estudo teve por base três premissas do Interacionismo Simbólico: 1) os seres humanos agem em relação às coisas, com base nos significados que estas coisas, têm para si; 2) estes significados derivam ou decorrem da sua interação social com seus semelhantes; 3) estes significados são elaborados e modificados através do processo interpretativo da pessoa, frente às coisas com as quais ela se defronta (LITTLEJOHN, 1982 e HAGUETTE,1999).

 

            a) Contexto e população

            Os dados foram coletados em duas etapas junto a mulheres no dia de sua consulta ginecológica de rotina. Estavam todas sendo atendidas na Unidade Básica de Saúde Cafezal II (UBSC II) da rede municipal de saúde de Londrina – PR que autorizou a execução do projeto.

            A área de abrangência desta Unidade compreende o Conjunto Habitacional Cafezal II e bairros vizinhos, atendendo a uma população de aproximadamente 15.000 habitantes. Está localizada na região sul de Londrina, a 8 Km do centro da cidade e conta com abastecimento de água tratada, luz, telefone, coleta de lixo, transporte coletivo, escola pública de 1o grau, creche e um pequeno comércio local.  Aproximadamente 60% da população, economicamente ativa, recebem de 1 a 3 salários mínimos e 20% de 3 a 5.

 

            b) Coleta e registro dos dados

            A técnica de entrevista semi-estruturada foi escolhida por se constituir em momento de relação interpessoal, enfermeira-paciente.

As primeiras entrevistas foram realizadas, transcritas e analisadas como estudo-piloto para verificar se as questões eram claras e suficientes, além de observar criticamente o desempenho do entrevistador.

A versão definitiva das questões seguiu o seguinte roteiro: 1) “Como é, para você, ser mulher?”. Como você vê a vida da mulher?” (pergunta utilizada para descontração da entrevistada) 2) “Você já fez algum exame ginecológico? Como se sentiu sendo examinada ?” 3) “Com quem já conversou sobre este exame?  O que lhe falaram sobre ele?” 4) “Você já se viu ‘por baixo’ com um espelho?” se SIM, “o que achou do que viu? se não, “nunca teve curiosidade? Por que?”  5) “Quem te ensinou as coisas sobre o corpo de mulher e sobre sexo? O que lhe ensinaram?”   A partir da 9a entrevista foi acrescentada a questão: “Qual o nome dado pela sua mãe aos órgão sexuais externos da mulher?”.

            Os dados de identificação de cada mulher foram registrados para caracterizar o grupo de informantes. Após a apresentação do pesquisador, em consonância com as obrigações éticas, foi esclarecido o objetivo do estudo, solicitada permissão para uso do gravador justificando as suas finalidades, a garantia do anonimato e de acesso aos resultados da pesquisa. Após os esclarecimentos, as mulheres foram convidadas a participar. Não houve recusa.

            Na primeira entrevista, uma informante afirmou que a mulher evita submeter-se ao exame ginecológico por vergonha de expor sua genitália, essa parte do corpo que ela considera “nada bonita”. Nesta mesma entrevista, o sentido de vergonha é generalizado para outras situações como vergonha do marido justificada pela educação muito rígida recebida dos pais no que se relaciona ao corpo feminino e à sexualidade. Foram, então, introduzidas no roteiro da entrevista questões sobre a percepção que cada mulher entrevistada tinha de sua própria genitália e sobre educação ou informação sexual recebida.

Este procedimento, chamado por LUDKE & ANDRÉ (1986) de “testagem de idéias junto aos sujeitos”, visa obter confirmação, junto aos sujeitos da pesquisa, de certas percepções ou conjecturas do pesquisador.

            As entrevistas ocorreram em ambiente fechado e pouco sujeito a interrupções. Foram realizadas até que não se localizaram novos padrões de resposta nem novas justificativas para comportamentos foram sugeridas pelas entrevistadas.

            Após a transcrição de cada entrevista e antes da realização da seguinte, o processo de codificação era trabalhado. Cada palavra ou trecho que exprimisse uma idéia era sublinhado e considerado como código. Optamos por manter como códigos as próprias palavras das entrevistadas. Cada código foi transcrito em tiras de papel, agrupando conforme os temas desenvolvidos nas entrevistas.

Topo da página 

 

IV - RESULTADOS e DISCUSSÃO

            Na 1ª fase, o grupo constituiu-se de 22 mulheres, com idades entre 17 e 68 anos. Eram em sua maioria, donas de casa ou empregadas domésticas, com primeiro grau incompleto. O conteúdo das entrevistas permitiu agrupar as falas referentes a cada aspecto focalizado, analisado e discutido nas seguintes categorias:

1 - Como as mulheres sentem-se durante o exame ginecológico.

            Apenas 5 das 22 mulheres referiram sentir-se bem durante o exame. As demais revelaram principalmente sentimentos de vergonha, mas também de tensão, medo e até dor. Uma delas usou a palavra “vergonha” 34 vezes em sua resposta.

            No decorrer das entrevistas, ficou evidente que o exame ginecológico não é um procedimento preventivo que este grupo de mulheres possa utilizar em seu benefício, com tranqüilidade. Há um sentimento de aversão à situação do exame por confronto direto com seu pudor. Isto se confirma quando observamos que elas não fazem esse exame regularmente. Com exceção de uma, todas reconheceram sua utilidade. Vale ressaltar que na UBSC II, haviam vagas disponíveis para o exame “preventivo” gratuito.

            2 - Como as mulheres comportam-se em relação ao exame ginecológico.

            Encontramos duas posições distintas: de um lado as mulheres que procuravam regularmente o exame ginecológico percebendo sua importância, num processo de autocuidado; de outro, as que, mesmo percebendo essa importância, evitam o exame.            Essa atitude, que chamamos de evitamento do exame ginecológico foi relacionada freqüentemente ao sentimento de vergonha e atinge grau de importância considerável quando percebemos que não só o exame ginecológico enquanto procedimento preventivo é evitado, mas inclusive como procedimento diagnóstico em situação de patologia instalada.

            Algumas entrevistadas falaram sobre o que as mulheres de seu meio sentem a respeito do exame ginecológico. Se o significado das coisas surge ou é derivado da interação das mulheres com seu meio, segundo o Interacionismo Simbólico (HAGUETTE, 1999), é importante registrar esses dados adicionais.

“Ah! Tem umas mulheres que, nossa! é um horror... fica com as pernas moles, fica tremendo de vergonha, de medo...”(entr.22)

“Ah, elas sentem envergonhadas...vergonha de fazer o exame... a maioria. Minha mãe não gosta de fazer, minhas colegas também não”(entr.19)

Sempre que este tipo de informação aparecia, apontava na direção de generalização de um significado negativo do exame, sendo portanto, um reforço à atitude de evitamento do mesmo.

            3 - Como as mulheres gostariam que o exame fosse realizado

            Foi importante conhecer as sugestões que essas mulheres tinham sobre como o exame ginecológico. Surgiram propostas de como torná-lo mais fácil de ser enfrentado:

a) Expressões de fuga da situação (“de pernas fechadas”, “no escuro” ou “só conversar como no clínico geral”).

b) Preferência por examinador do sexo feminino. Esta preferência aparece com uma possível conotação de cumplicidade entre seres assemelhados, portadores de uma mesma anatomia e talvez com as mesmas vivências de ocultamento do corpo, ou seja, de quem se pode esperar compreensão.

Relações positivas e negativas entre experiências anteriores e o medo do exame puderam ser identificadas, nas falas das mulheres, destacando-se:

- positiva: “Quando eu fui fazer o meu primeiro exame, senti medo. Mas com o incentivo do marido e o médico, que foi muito atencioso, perdi o medo”. (entr.02)

- negativa: “O médico que me atendeu foi muito grosso, muito estúpido... por isso eu fiquei com medo de voltar em ginecologista” (entr.01)

            Ainda que não se possa afirmar que apenas uma experiência anterior positiva desfaça a atitude de evitamento do exame, ou que apenas uma experiência negativa possa criá-la, acredita-se que este seja um dos fatores de peso na consolidação de uma postura a este respeito.

            4 - Como as mulheres descrevem sua própria genitália

            O exame ginecológico constitui-se em última instância, na exposição da genitália à observação de outra pessoa. Como as mulheres descrevem esta parte do corpo feminino tão cercado de tabus e proibições em nossa cultura?

            É importante ressaltar que uma mulher só observa a própria genitália com o auxílio de um espelho, uma vez que é inacessível ao olhar sem este recurso. Observar-se implica portanto, numa intenção deliberada. Na maioria das entrevistas, quando colocada esta questão, observou-se reações de surpresa, constrangimento ou risos. As respostas trouxeram significados positivos e negativos.

            As entrevistadas 11, 14 e 15, questionadas se já tinham visto seus órgãos sexuais externos, responderam com um monossilábico “Não”. É interessante observar que estas três entrevistadas, em outras questões, apresentavam respostas longas e detalhadas. Chamou a atenção a mudança brusca no padrão das respostas.

            Na entrevista 12, apesar da entrevistada afirmar já ter observado a própria genitália quando era solteira, acrescentou: “Depois que eu casei eu nunca mais olhei. Eu penso assim: - Nossa! Deve estar um buracão... eu não tenho mais coragem!”.

            Tanta desinformação, tanta dificuldade em relação ao ato de observar-se, tanta rejeição relativa à parte do corpo feminino que justamente o caracteriza como tal, leva ao questionamento: que educação / informação essas mulheres receberam sobre o corpo e a sexualidade?

5 - Como as mulheres entrevistadas aprenderam sobre a sexualidade e o corpo feminino.

            As respostas evidenciam a ausência de informações na sua educação. A sexualidade e o corpo feminino aparecem como assuntos sistematicamente silenciados.

            SALAS (1990), baseando-se em sua prática clínica em psicanálise, fala sobre a “dificuldade que têm a menina e a mulher adulta para mostrar, tocar e nomear seu genital”. As proibições / inibições características das mulheres são denominadas “não nomear, não olhar, não tocar”, compondo um quadro de total anulação do genital feminino.

             6 - Genitália feminina como assunto silenciado

            Perguntando a 13 das 22 mulheres, cuja idade situava-se entre 20 e 57 anos, sobre o nome dado por suas mães ao genital feminino, apenas 3 citaram algum nome: “vagina mesmo”, “pombinha”, “ah, esse nome mesmo” (sem conseguir verbalizá-lo).  As outras 10 entrevistadas responderam: “nada”, “não lembro o nome”, “ela nunca falou”, “não me recordo...”

            É interessante destacar que observamos o mesmo padrão de respostas nas histórias dessas mulheres idades variaram de 20 a 57 anos. O fator idade que poderia indicar modos mais arcaicos ou mais modernos na educação das filhas, não demonstrou, nestas entrevistas, tal propriedade.

            Nos relatos deste estudo, evidenciou-se a impressão de que o evitamento do exame ginecológico provém de outra atitude, a de ocultamento dos genitais femininos, provocado por forte sentimento de vergonha. Não foi simplesmente o recato referente uma parte considerada íntima, não destinada à comunicação em geral, como o rosto ou as mãos, mas destinada ao contato amoroso, íntimo. O sentimento de vergonha avança em alguns casos, além disso, como demonstram relatos de vergonha do próprio marido:

“Eu não me troco perto do meu marido. Eu tenho dezessete anos de casada e não me troco perto dele! Tenho vergonha...”(Entr. 01)

“Essa vergonha vem de mim mesma, da maneira de eu ser, porque eu não me troco na frente de ninguém. Nem perto da minha mãe eu me trocava quando eu era solteira. Nunca gostei de tomar banho nem com colega. Mesmo com o marido eu não sou toda solta, eu fico inibida ainda”(Entr. 03)

“...tantos anos de casada, eu vou falar a verdade, francamente eu nunca fiquei nua, do meu marido chegar e ver assim... Parece que eu sinto vergonha até hoje.”(Entr.14)

            Muito já se escreveu sobre as particularidades do desenvolvimento da sexualidade feminina. BEAUVOIR (1980) afirma que não se nasce mulher, mas torna-se mulher, descrevendo longamente em seu livro “O Segundo Sexo”, o processo pelo qual passam as mulheres em sua formação.  Suas descrições sobre o ocultamento/negação do órgão genital feminino numa intenção clara ou dissimulada de ocultamento/negação da própria sexualidade feminina parecem tão atuais quanto os depoimentos das entrevistadas. Essa autora afirma que a mulher rejeita ou esconde o próprio corpo e suas manifestações porque a feminilidade significa alteridade e inferioridade e sua revelação é acolhida com escândalo. Alteridade porque a mulher é o “outro”, já que em nossa sociedade parece que ainda e o masculino que define o ser humano enquanto que a mulher é “o ser diferente do homem”. Inferioridade porque a mulher é considerada um ser cativo de suas funções fisiológicas de procriação, sendo que “durante muitos períodos não dispõe de si mesma”, ou seja, seu corpo não lhe pertence.

            LERNER (2000) discute os efeitos do não esclarecimento das meninas a respeito de seus genitais, principalmente os externos (vulva), somado ao fato de que a auto-exploração desta área não é absolutamente incentivada, “podendo levar à ansiedade, confusão e vergonha em relação à sexualidade”. Segundo a autora, apenas afirma-se que a mulher não tem pênis, mas não se fala a respeito do que ela tem, ou seja, “negligencia-se a validar (a existência) e dar nome aos genitais externos sensíveis da garota”. Essa situação é estendida, pela autora, também ao círculo dos profissionais da saúde que muitas vezes usam o termo “vagina” para designar os genitais externos da mulher. Anula-se assim a existência da vulva e do clitóris, que aí se localiza como órgão destinado ao prazer, “inibindo a responsividade sexual feminina e o orgulho pela feminilidade”.

            No caso das mulheres deste estudo, o problema vai além, uma vez que nem sequer a vagina e a função reprodutiva são ensinadas à menina. A vergonha e o desconhecimento que referem em relação aos próprios genitais, provocados por uma educação / informação sexual inexistente ou inadequada, podem estar na base da atitude predominante detectada de evitamento do exame ginecológico.

            XAVIER, ÁVILA & CORREA (1989), baseadas em suas experiências no grupo de saúde da mulher denominado SOS - Corpo (Recife), descrevem a desinformação e o desconhecimento das mulheres em relação ao próprio corpo, como mecanismo de controle social sobre elas. Afirmam que as representações do corpo feminino como sujo, doentio, acabam produzindo efeitos colaterais como a fuga da consulta com o médico por temor ou vergonha.  Afirmam também que estas representações negativas estão presentes em todas as classes sociais e independem do grau de escolaridade.

            A semelhança entre os relatos dessas autoras com os depoimentos das entrevistas deste estudo e ainda com relatos de pesquisas realizadas nos Estados Unidos (anteriormente citadas), pode estar delineando um mesmo fator cultural? O constrangimento da mulher com sua genitália, com o conseqüente desconforto em expor-se num exame ginecológico foi comum a todos.

            Neste ponto da discussão, como diz MICHELAT (1987) uma construção adequada deve conter / acomodar / explicar todo o corpus de dados, e uma questão não estava esclarecida.  Porque algumas mulheres, apesar de terem recebido o mesmo tipo de educação e até verbalizarem algum constrangimento na situação do exame, não o evitaram?

            Coleta de dados adicional. Buscamos novas informações num grupo de 8 pacientes que freqüentavam o projeto de detecção precoce do câncer cérvico-uterino e de mamas no mesmo local, que procuravam o exame por livre e espontânea vontade. Eram mulheres de 24 a 44 anos, nas mesmas condições sociais do grupo anterior.

            Detectamos que suas motivações para a busca do exame eram o medo do câncer, o desejo de cuidar-se, a presença de sintomatologia incômoda, a obrigatoriedade do exame na rotina do programa de saúde (no caso, o pré-natal).

            Através de releituras das entrevistas do 1o grupo, especialmente aquelas que referiam fazer o exame ginecológico regularmente, encontramos motivações semelhantes: o medo do câncer, a obrigatoriedade do exame em outros programas (planejamento familiar) e o desejo de cuidar-se, sendo que uma afirmou ler e ouvir programas de rádio, num esforço autodidata.

Após todas estas considerações, ousamos construir um modelo teórico que permitisse relacionar e compreender melhor os dados obtidos, conforme o esquema.

 Topo da página 

 

PROCESSO DE EVITAMENTO DO EXAME GINECOLÓGICO - I

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


           

Conforme MICHELAT (1987), “teoricamente, a análise não tem fim. É sempre possível modificar o esquema obtido, descobrindo novas sobre-interpretações. Entretanto, é necessário parar quando se considera que o modelo obtido atinge certa estabilidade”.

            Com base nos depoimentos das mulheres analisadas neste estudo, acrescentamos ao arcabouço de sustentação do esquema de evitamento do exame ginecológico, através de acréscimos laterais, os fatores que poderiam estar reforçando o processo, e as possibilidades de intervenção do profissional enfermeiro, buscando interromper ou interceptar este processo.

 Topo da página 

  PROCESSO DE EVITAMENTO DO EXAME GINECOLÓGICO - II

 

 

  

 

            Este esquema é uma tentativa consciente de congelar determinada situação num determinado momento. PERESTRELLO (2000) fala sobre a “impossibilidade de se processarem os acontecimentos no ser humano à maneira de esquemas, se tivermos presente que a própria vida é algo que não para, em permanente vir a ser”.

            Outrossim, esperamos despertar a necessidade de repensar a prática da enfermagem e de outras profissões da saúde no sentido de extrapolar procedimentos e orientações tão somente técnicos. É necessária uma postura compreensiva, entendendo cada mulher em seu processo de vida, inserida num meio sócio-cultural complexo, onde os significados são gerados.

Topo da página 

 

V - CONSIDERAÇÕES FINAIS

 

            Este trabalho foi motivado pelos questionamentos surgidos no dia a dia da prática da enfermagem na assistência à saúde da mulher. Procurou-se conhecer a visão das mulheres sobre o exame ginecológico no dia em que foram ao serviço para este procedimento. Através de entrevistas foi possível desvendar alguns significados atribuídos pelas entrevistadas ao exame ginecológico e os conseqüentes modos de agir em relação ao mesmo, delineando um processo social que leva ao evitamento do exame ginecológico.

            O Interacionismo Simbólico defende que a maneira de agir do ser humano é determinada pelo significado que ele atribui a uma dada coisa ou situação e que este significado surge da interação do indivíduo com o meio. Entretanto, o ser humano também seleciona as coisas do mundo que o rodeia, interpretando e manipulando os significados antes de efetuar a ação, dependendo da situação onde estiver inserido.

            Neste sentido, acreditamos que o profissional mais que tentar modificar os comportamentos, deve trabalhar no sentido de criar condições para que a mulher possa repensar os significados que atribui à sua genitália, à fisiologia feminina, à sua sexualidade, enfim, à sua condição de mulher, esperando que assim seja amenizado e se possível extinguido o evitamento do exame ginecológico.

            Este modo de trabalhar implica numa relação de pessoa a pessoa, entre profissional e a mulher assistida, o que só pode acontecer, como afirma TRAVELBEE (1982), quando esta mulher for compreendida como um ser humano único, disposto não só a aprender novos conceitos, como também a ensinar, ao profissional que a assiste, a sua maneira de estar no mundo como mulher.

            O físico, o psíquico, e o social não são níveis estanques do ser humano, e em qualquer desses níveis podem originar-se os problemas com que o profissional se defronta na prestação da assistência. Se a pretensão é assistir o indivíduo como um todo, essa perspectiva não pode ser esquecida.

Topo da página 

 

VI - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 

ABRUNS, M. Health Care for Women. JOGN Nursing, v.15, n.3,p.250-5, 1986.

BEAUVOIR, S. O Segundo Sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1980.

HAGUETTE, T.M.F. Metodologias qualitativas na sociologia. Petrópolis: Vozes, 1999.

LATTA,W.;WIESMEIER, E. Effects of Educational Gynaecological Exam on women`s attitudes. JOGN. Nursing. v.11,n.4,p.242-5, 1982.

LERNER, H. Mulheres em terapia. Porto Alegre: Artes Médicas, 2000.

LITTLEJOHN, S.W. Fundamentos teóricos da comunicação humana. Rio de Janeiro, Zahar, 1982.

LUDKE, M.; ANDRÉ, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

MAGEE, J. O exame ginecológico visto do outro lado da mesa. Femina, v.6, n.12,  p.1124-8, 1988.

MICHELAT, G. Sobre a utilização da entrevista não diretiva em sociologia.  In: THIOLLENT, M.  Crítica metodológica, investigação social e enquete operária. São Paulo, Pólis, 1987. p.191-211.

MILLER, S. & MANGAN, C.E. Interacting effects of information and coping style in adapting to gynaecologic stress: should the doctor tell all? Personality and Social Psycology, v.45, n.1, p.223-36, 1983.

OSOFSKY, H.J.  Women`s reactions to pelvic examination. Obstetrics and Gynaecology, v.30, n.1, p.141-51, 1967.

PERESTRELLO, D. A Medicina da Pessoa. Rio de Janeiro: Atheneu, 4ª ed., 2000.

SALAS, V.L.B. A feminilidade: uma revisão da fase fálica. Porto Alegre: Artes Médicas, 1990.

SOARES, V.L.B. O exame ginecológico. Femina, v.9, n.11, p.858-9, 1981.

TRAVELBEE, J. Intervención en Enfermeria Psiquiátrica - el processo de la relacion persona a persona. Colombia, OPAS/OMS, 1982.

WEBSTER, D. & LIPETZ, M. Changing definitions, changing times. Nursing Clinics North America, v.21, n.1, p.87-97, 1986.

XAVIER, D.; ÁVILA, M.B.; CORREA, S.  Questões feministas para a ordem médica: o feminismo e o conceito de saúde integral. In: LABRA, M.E. (org) Mulher, Saúde e Sociedade no Brasil. Coleção Saúde e Realidade Brasileira. Petrópolis, Vozes, 1989. Cap.10, p. 203-22.

 

Este artigo é parte da Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Enfermagem Psiquiátrica EERP-USP.

 

 

Autoras

 

Marta Lúcia O. CARVALHO - Mestre em Enfermagem Psiquiátrica - Professor Adjunto do Depto. Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina PR. – Doutoranda da FSP – USP. marta-londrina@uol.com.br

Antonia Regina F. FUREGATO - Professor Titular do Depto. EPCH da EERP - Universidade de São Paulo. Av. Bandeirantes, 3900 – Campus – Ribeirão Preto, CEP. 14040-902. furegato@eerp.usp.br

Topo da página